Mensagem de Natal do Presidente do ADN

Tempo de leitura: 3 minutos

Estimados/as Companheiros/as,

É com enorme honra, mas também com muito orgulho, que me dirijo a vós, em meu nome pessoal e do ADN, na data mais especial do ano, um tempo que deveria ser de paz e harmonia, mas que muitos se esquecem disso, e que nos permite tentar esquecer por algum tempo todos os problemas que nos rodeiam e estar com as pessoas que mais amamos.

Os militantes são a parte mais importante e o coração do ADN, com a chegada do Natal e do Fim de Ano é hora de enviar uma mensagem a todos os que dedicaram algum tempo e se sacrificaram para o sucesso do nosso partido.

Mais uma vez, Portugal vive um momento muito difícil e, ao que tudo indica, 2023 será ainda pior, por esse motivo, a ajuda de todos será pouca para que seja possível voltarmos a restaurar o Esplendor de Portugal.

Mas, este é o momento de renovar a esperança na humanidade, a fé e a solidariedade que a celebração do nascimento de Jesus Cristo nos traz.

É também tempo de refletirmos sobre o ano que passou e, em relação a tudo o que se passou connosco, não posso deixar de manifestar o meu enorme orgulho nos militantes do ADN.

Temos alguns temas que devem prender a nossa máxima atenção, nomeadamente:

– A Recuperação económica do país e das Famílias – vamos apresentar soluções que permitam ajudar os portugueses a ultrapassarem as dificuldades criadas por esta péssima governação;

– A Agenda Globalista – os interesses supranacionais e o controlo das populações por indivíduos que estão acima dos governos nacionais têm de ser combatidos e erradicados da nossa sociedade;

– A Revisão da Constituição da República Portuguesa – iremos prosseguir criminalmente todos os detentores de cargos políticos que tentem aprovar uma revisão inconstitucional e que acaba com os nossos Direitos Fundamentais;

– A Agenda da Ideologia de Género – as nossas crianças têm de ser protegidas de mentes deformadas que tentam impor nas escolas uma doutrinação irracional e antinatural;

– A Fraude Sanitária – primeiro lidámos com as tentativas de abuso de autoridade e restrições inaceitáveis, mas a segunda vaga está a ser preparada por quem não aceita a nossa Liberdade e a luta pela Verdade;

– A Lei da Eutanásia – mais uma lei ilegal e inconstitucional, independentemente do partido ainda não ter tido oportunidade de tomar uma posição oficial em Congresso, somos contra qualquer lei que, seja devido à forma como está proposta ou redigida, não preenche todas as condições necessárias para ser considerada viável ou que não cumpra a Constituição.

– Congresso do ADN – Já solicitei ao Conselho Nacional que a realização do nosso Congresso fosse no distrito do Porto, faltando depois, durante o próximo ano, realizarmos eventos pelos restantes distritos e nos arquipélagos da Madeira e dos Açores.

Estes são os assuntos mais relevantes em que nos iremos focar, mas não vamos descurar todos os restantes.

Considero que ao longo do último ano as nossas certezas começaram também a ser as de outros e as mentiras dos governantes a ficarem cada vez mais expostas, devido às consequências visíveis que aos poucos vão surgindo e por se terem vendido aos interesses supranacionais.

Como escreveu Fernando Pessoa: “Porque eu sou do tamanho do que vejo e não do tamanho da minha altura…”

E é isto um pouco que nos caracteriza. Somos pessoas que vêem mais ao longe e que nunca desistem, pois, sabemos que juntos vamos conseguir restaurar o Esplendor de Portugal.

É um enorme orgulho poder servir todos aqueles que estão no ADN.

Uma palavra final de agradecimento a todos os que aceitaram integrar os órgãos socias do ADN, a estes meus amigos e amigas a minha enorme gratidão, o país precisa de pessoas como vocês.

Aos militantes do ADN desejo que o ano de 2023 traga o melhor.

Estes são os meus votos sinceros de um Santo e Feliz Natal para todos vocês e as respectivas Famílias

Autor

As tuas liberdades, direitos e garantias estão a ser violadas.

O ADN é o único partido que nunca permitirá que mexam nas leis fundamentais.

Junta-te a nós e saberás como ser um resistente às políticas globalistas.