MAGINA DA SILVA E A QUEIXA-CRIME AO PRESIDENTE DO ADN

Tempo de leitura: 2 minutos

Bruno Fialho, Presidente do ADN, foi alvo de uma queixa-crime apresentada pelo Director Nacional da PSP, Magina da Silva, devido ao artigo de opinião que escreveu no jornal “Diário do Distrito”, em que comentou a norma interna que proíbe os agentes daquela força policial de usarem armas de fogo com projétil letal, em situações de alteração de ordem pública, e onde os agentes também são avisados avisa que serão punidos se retirarem a arma do coldre ou desobedecerem a essa norma interna. Vide o artigo neste link: https://diariodistrito.pt/magina-da-silva-ou-a-va-gloria-de-mandar/?feed_id=151667

Lisboa, 16 de Janeiro de 2023 – O ADN qualifica como surrealista a tentativa do Director Nacional da PSP em pretender silenciar quem defende as Forças de Segurança e se opõe à manutenção de situações que podem fazer perigar a vida dos seus agentes e aumentar a criminalidade.

“É, no mínimo, lamentável que o Director Nacional da PSP esteja mais interessado em atacar quem defende as Forças de Segurança do que combater a criminalidade ou lutar por melhorar as condições de trabalho e de segurança dos agentes que comanda”, denuncia Bruno Fialho, presidente do ADN.

E acrescenta: “Magina da Silva não pode considerar que está acima de críticas à sua actuação como Director Nacional da PSP ou que pode fazer tudo aquilo que quiser sem ser devidamente escrutinado. Relembro que este director, entre 2020 e 2022, deu cobertura às inconstitucionalidades praticadas pelo Governo que subtraíram direitos fundamentais aos portugueses, pelo que, até já devia ter sido demitido, mas quem está conivente com este regime político vai ser sempre mantido nos lugares que interessa ao poder”.

 “Na minha opinião e de todos os juristas que já leram o artigo, o que escrevi não tem relevância penal, pelo que, esta queixa-crime só pode ser uma mera perseguição política e um reflexo do crescimento do partido ADN, algo que tem preocupado os partidos do regime e os que controlam todos as instituições ou organismos públicos que deviam estar ao serviço dos cidadãos, mas que estão subjugados ao poder político ou financeiro”, afirma Bruno Fialho.

“Ao longo dos dois últimos anos temos vivido numa perfeita ditadura, com a agravante de que todos os partidos com assento parlamentar têm sido coniventes com isso ou meras marionetes, pois, desconheço que, alguma vez, um presidente de um partido tivesse sido alvo de uma queixa-crime por causa de declarações ou artigos que tenha feito a comentar ou a escrutinar as decisões de um Director Nacional, seja da PSP ou de qualquer outra instituição ou organismo público”, considera Bruno Fialho.

“Se temos um Director Nacional da PSP que fica melindrado com avaliações e considerações sobre o seu desempenho e intenta uma queixa-crime sem sentido, contra um presidente de um partido político, imaginem o terror que deve ser viver diariamente como agente da Polícia de Segurança Pública e o que isso pode afectá-los, a forma como actuam perante as situações e, consequentemente, e a segurança dos mesmos e dos cidadãos que juraram defender”, conclui Bruno Fialho

As tuas liberdades, direitos e garantias estão a ser violadas.

O ADN é o único partido que nunca permitirá que mexam nas leis fundamentais.

Junta-te a nós e saberás como ser um resistente às políticas globalistas.