CONCENTRAÇÃO CONTRA A PRESENÇA DO DIRECTOR-GERAL DA OMS EM COIMBRA

Tempo de leitura: 2 minutos

COMUNICADO DE IMPRENSA

Lisboa, 26 de Junho de 2023 – O partido ADN, em conjunto com outras entidades da sociedade civil, irá realizar uma concentração na próxima quarta-feira, dia 28 de Junho, pelas 10h30, na Universidade de Coimbra, contra a presença do Sr. Tedros Adhanom Ghebreyesus, Director da Organização Mundial da Saúde (OMS), que será distinguido pela Faculdade de Medicina com o título de entrega de um doutoramento Honoris Causa.

Informamos ainda que o Presidente do ADN enviou, hoje, uma missiva ao Reitor da Universidade de Coimbra e ao Director da Faculdade de Medicina, a questionar a, ou as razões, que presidem e fundamentam a distinção Doutor Honoris Causa que será atribuída ao Sr. Tedros Adhanom Ghebreyesus, Director-Geral da OMS, sabendo que tal distinção será concedida pela mais prestigiada e antiga Universidade portuguesa à pessoa em questão e se tiveram em consideração os seguintes factos:

a) O Sr. Tedros Adhanom Ghebreyesus, foi acusado pelo Governo da Etiópia, país de onde é oriundo, de ser membro do grupo terrorista da Frente Popular de Libertação do Tigré, que é um grupo extremista defensor da ideologia do etno-nacionalismo, que bombardeou, torturou, sequestrou e assassinou inúmeros cidadãos africanos. Também foi ministro da Saúde da Etiópia e no seu mandato ignorou três fortes surtos de Cólera, levando assim à morte de milhares de concidadãos;

b) A Organização Mundial de Saúde (OMS) é financiada em cerca de 80% por entidades privadas ligadas ao sector farmacêutico, as quais têm enormes interesses económicos e financeiros obscuros e são detidas, maioritariamente, por grupos e fundações privadas, bem conhecidos do grande público, sendo que só a Fundação Bill e Melinda Gates, contribui com cerca de 20% do orçamento total;

c) O Sr. Tedros Adhanom Ghebreyesus foi certamente a nível global, mesmo perante um enorme conflito de interesses, como acima demonstrado, o maior impulsionador das “vacinas Covid-19”, as quais foram terapias genéticas experimentais e que apenas tiveram autorização de emergência para serem administradas à população, precisamente, com base na declaração de pandemia que o mesmo proferiu no início do ano de 2020;

d) Os maiores grupos farmacêuticos negociaram com a União Europeia, em meados do ano de 2020, a sua completa desresponsabilização quer civil quer criminal, por todo e qualquer efeito adverso inclusive a “morte” decorrente da toma da “Vacina covid-19” e, pela primeira vez, todos os países da UE adquiriram uma “vacina experimental” sem que os respectivos Tribunais de Contas se pronunciassem sobre os contratos realizados entre Estado e privados;

e) Desde a administração da “vacina covid-19” que se tem vindo a verificar um excesso de mortalidade a nível mundial, especialmente nos países em que estas injeções foram mais administradas e na população mais jovem, como é, infelizmente, o caso de Portugal, sendo um facto que já não se consegue continuar a esconder.

 

As tuas liberdades, direitos e garantias estão a ser violadas.

O ADN é o único partido que nunca permitirá que mexam nas leis fundamentais.

Junta-te a nós e saberás como ser um resistente às políticas globalistas.