ADN, nascidos na Resistência

Tempo de leitura: 2 minutos

Que outro partido defendeu os direitos, liberdades e garantias dos cidadãos nos últimos três anos?

Que outro partido abdicou da caça ao voto, não deambulando entre a resistência efetiva e o politicamente correto?
Quem mais senão o ADN, conseguiu manter-se sempre coerente com a opinião e fiel ao programa político?
A postura integra trouxe-nos mais eleitores? Vamos ter a resposta no próximo 10 de Março.

Continuaremos com determinação e a apontar aos nossos objetivos, que legitimamente passam por eleger um deputado e dar voz àqueles que sempre se opuseram à implementação da agenda 2030 e a todos os segmentos que nela figuram.

Num exercício simples, lanço o desafio a quem me lê –  Imaginem uma Assembleia da República com representantes do ADN nestes últimos três anos.
Garantidamente que os debates não seriam de sentido único e pró-agenda, já que foram muito poucas as ocasiões em que nos sentimos representados. Nessas poucas ocasiões, o que aconteceu foi uma tentativa de sedução aos potenciais eleitores no nicho de contestatários às medidas restritivas e inconstitucionais durante 20,21 e 22. Infelizmente resultou, conseguiram-se os eleitores e também a ilusão de oposição.
Certamente que o tempo nos vai dizer que quem mordeu o isco, vai desiludir-se com o resultado.

O ADN é o único partido da oposição e o único partido que fez alianças para lá das nossas fronteiras a fim de combater aquilo que nos querem impor como realidade num futuro próximo.
Isto sem subvenções do Estado, sem apoios financeiros, sem tempo de antena nos órgãos de comunicação social e constantemente debaixo de escrutínio dentro do próprio núcleo de resistentes, os mesmos que o partido sempre defendeu e onde nasceu.

Recusamos o discurso da vitimização, no entanto não nos podem passar ao lado os ataques constantes e desprovidos de qualquer  lógica ou fundamento, a que o ADN esteve sujeito em tempos recentes.

Nós, o ADN, vamos prevalecer.
O tempo vai acabar por nos dar razão e os verdadeiros resistentes, aqueles que não esquecem aquilo a que nos sujeitaram, aqueles que continuam na defesa da verdade e à espera de justiça, esses entenderão o significado e o valor desta persistência.

Nelson Rosa Porfirio
Comissão Politica

 
 

 

 

Autor

As tuas liberdades, direitos e garantias estão a ser violadas.

O ADN é o único partido que nunca permitirá que mexam nas leis fundamentais.

Junta-te a nós e saberás como ser um resistente às políticas globalistas.